Saltar para o conteúdo principal Mapa do Site Ajuda de navegação e acessibilidade Web

Visões do Império

16 Maio 2021 - 30 Dezembro 2021

Detalhes

Exposição | Atividades

Horário

de 3ª a domingo

10:00 – 18:00 (última entrada 17:30)

Preços

saiba mais neste link

Partilhar nas redes sociais

Sobre o evento

Coordenação de Miguel Bandeira Jerónimo e Joana Pontes

 

A fotografia foi um elemento fundamental da história do moderno colonialismo português. Sem ela, a idealização e o conhecimento sobre os territórios coloniais, seus recursos e populações, teriam sido diferentes.

As imagens fotográficas foram encenadas e comercializadas, com diferentes fins. Passaram de mão em mão, oficial e clandestinamente, ou foram esquecidas ou destruídas. Documentaram sonhos e memórias individuais e colectivos. Alimentaram a imaginação da dominação colonial, associando-se aos esforços da sua concretização. Contribuíram para uma visão do “outro” como essencialmente diferente – nos seus modos de vida, costumes e mentalidade -, concorrendo para o estabelecimento e manutenção de leis e práticas de discriminação política, social, económica e cultural, que foram desenhadas ao longo de linhas raciais.

Estas imagens serviram também para denunciar a iniquidade e a violência da colonização, acalentando aspirações de um futuro mais humano e igualitário – sonhos esses com diferentes matizes e orientações políticas. Os seus usos no passado e os seus legados no presente foram e são vastos, heterogéneos e duradouros.

“Visões do Império” dá-nos um vislumbre dos contextos de produção e dos usos da fotografia, relacionando-os com alguns dos eventos e processos mais relevantes da história do império colonial português.

 

Em estreita relação com a exposição serão organizadas três iniciativas: o visionamento do filme Visões do Império, com a presença da realizadora Joana Pontes;  uma mesa-redonda sobre O colonial: passados e presentes; e a produção de um catálogo sobre a exposição.

Veja aqui o programa paralelo

 

Fotos:

na esquerda – Marco na linha da fronteira. Dundo (Lunda). Luís Carisso. Julho 1927. Missão botânica. Angola 1927-1937. Arquivo de Botânica – Universidade de Coimbra.

na direita- imagem em “Álbuns Fotográficos e Descritivos da colónia de Moçambique”, Lourenço Marques. José dos Santos Rufino, 1929. Biblioteca Nacional de Portugal.

 

Neste link pode ver e descarregar a Folha de sala da exposição “Visões do Império”